Crônica: “…Tudo, menos a covardia!”

Em crônica encaminhada a este Blog, o jornalista, escritor e poeta Osanah Setuval, presta homenagem e pede justiça pela morte do seu primo e médico pediatra, Julio Cesar de Queiroz Teixeira, que foi barbaramente assassinado no consultório onde atendia em Barra (BA).

Na investigação, a Policia já prendeu acusados pelo assassinato, num típico caso de crime de mando, pois os bandidos foram contratados pelo padrasto de uma criança, que foi denunciado após o médico constatar abuso sexual que este homem, o mandante, teria cometido contra a enteada.

Eis o conteúdo da crônica:

“A morte, covarde e sorrateira, subiu à escada para descer impiedosa depois de ceifar uma vida. Após o vídeo do assassinato do médico Júlio Cesar de Queiroz Teixeira, circular nas redes sociais do país, causando muita comoção e indignação, se faz necessário uma discussão em torno da aprovação de uma lei para tornar o crime de mando como de natureza hedionda.

Enquanto este tipo de crime for a solução para resolver aparentes discórdias, os covardes, escondidos no anonimato das suas frustações, usarão tal método para saciar os seus desejos de vinganças. A vida não pode ser refém de um reles matador de aluguel, que recebe qualquer quantia em pagamento para satisfazer os desejos de quem o contratou. Por isso, e por ser um crime tão ambientado em nosso meio social, devemos lutar para que ele se torne, enfatizo, crime
hediondo, sem comutação de pena para ambos os criminosos, contratantes e contratados.

A morte do primo Júlio Cesar trará sérias implicações ao futuro dos seus filhos, agora órfãos de um pai que eles tanto amavam, para a sua esposa que presenciou o terrível crime, sendo para toda a sua família, dos mais próximos aos mais distantes na escala genealógica, um momento de dilacerada dor e constante vazio existencial que nada pode justificar.

A justiça é o que de menos esperamos para com os assassinos; que eles paguem com o encarceramento da pena máxima pela execução deste vil e covarde ato.
“O tempo passa rápido. Não deixa rastro, porque voa.” Esta frase está no meu livro “Poeta por inteiro”, escrita para escalar outra situação do meu cotidiano, mas hoje a insiro neste texto para reforçar este triste momento em que passamos.

Não queremos que o resultado deste caso se transforme numa encenação policialesca, num fato esquecido pela justiça, sem a devida solução, porque o tempo voa muito rápido e as conveniências podem apagar os rastros que levem-nos a conhecer a cara estúpida de quem pagou pela morte do nosso
querido Júlio Cesar.

Confiamos cegamente na Justiça Divina, ao tempo em que daremos crédito à justiça dos homens até a hora em que ela se fizer por merecer, porque neste caso, da Justiça, desejamos tudo, menos a covardia.”

Osanah Setúval – Jornalista

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: